EN/ PT

Ivan Lins

(n. Brasil; 1945) Ivan Lins, carioca e tijucano, é músico e compositor conhecido pelas inúmeras gravações de sua obra no mundo todo, por suas harmonias diferenciadas e pelos seus arranjos, ao mesmo tempo refinados e populares. Teve inúmeros sucessos como cantor e como compositor como “Madalena” (lançada pela inesquecível Elis Regina) “Abre Alas”, “Somos Todos Iguais Essa Noite”, “Começar de Novo”, “Dinorah, Dinorah”, “Bandeira do Divino”, “Bilhete”, “Desesperar, Jamais”, “Aiaiaiaiai”, “Vitoriosa”, “Vieste”, “Lembra de mim”, “Depende de nós”, “Novo Tempo”, “Meu País”, entre outras. A sua obra renovou-se através dos anos, trazendo sempre novos valores musicais e ideais agregados, sem nunca perder a sua marca autoral, o seu DNA, a sua originalidade. A partir dos anos 80, o seu trabalho tem uma grande repercussão internacional, principalmente nos EUA onde foi e é gravado por grandes artistas como Sarah Vaughan, Quincy Jones, Ella Fitzgerald, Carmen McRae, George Benson, Lee Ritenour, Dave Grusin, Manhattan Transfer, Take 6, New York Voices, Sting, Diana Krall, Barbara Streisand, entre muitos outros. Nesta mesma época inicia um trabalho de composição de fados, música que fez parte de sua vida intensamente com a convivência de seus avós portugueses. Em 77 compôs e gravou o seu primeiro fado, chamado simplesmente de “Um Fado”. Esta canção tornouse o primeiro fado gravado por um artista português, na maravilhosa interpretação de Carlos do Carmo, que viria a gravar mais quatro fados da sua autoria. Em seguida teve canções gravadas por Mariza, António Zambujo, Maria João Quadros ou Cuca Roseta. A sua obra e seus temas musicais estão presentes em diversas trilhas para o cinema e para a TV. Com Vitor Martins compôs grande parte dos seus sucessos, mas as suas melodias também servem de base para letristas e poetas como Caetano Veloso, Dudu Falcão, Lia Luft, Elisa Lucinda, Paulo César Pinheiro, Celso Viáfora, Ronaldo Monteiro, Abel Silva, Martinho da Vila, Aldir Blanc, Chico Buarque, Moska, Nei Lopes, Chico César, Salgado Maranhão e tantos outros. Em 2005 grava o CD e DVD “Cantando Histórias” onde resgata grandes sucessos de sua carreira com novos arranjos e com a participação de diversos convidados, o que lhe rendeu um disco e um DVD de ouro, no Brasil e 2 “Grammys” latinos: o de Melhor Disco Brasileiro e Melhor Disco do Ano, prémio máximo daquela Academia, até hoje nunca recebido por outro artista de língua portuguesa. Vale lembrar ainda que em 1981, a música “Dinorah, Dinorah” ganhou também um Grammy para Melhor Arranjo Instrumental de Jazz com a gravação de George Benson; em 1982 a canção “Velas” recebeu o mesmo prémio com a gravação de Quincy Jones e em 2004, Sting ganha o Grammy de melhor vocalista pop com “She Walks This Earth” de sua autoria. Em 2009 ganhou mais um Grammy Latino com seu disco “Ivan Lins & The Metropole Orchestra”, gravado com esta excelente orquestra holandesa e com arranjos e regência do maestro Vince Mendonza, grande nome da música mundial, tendo como convidados o guitarrista uruguaio Leonardo Amuedo, a cantora Trijintje Oosterhuis, o saxofonista Stefano Di Batista e o cantor português Paulo de Carvalho. Este projeto, é um complemento a um longo histórico de apresentações realizadas por Ivan Lins com orquestras sinfônicas, de câmeras, jazz e big bands. Em 2011 foi escolhido por um júri mundial da FIFA para se apresentar no evento do sorteio das chaves para o Mundial de Futebol de 2014, que foi transmitido para todo o mundo. Em novembro, recebeu na Holanda o Prémio Edison, galardão máximo na música holandesa como reconhecimento da sua contribuição para a música mundial. Ivan Lins é hoje o compositor brasileiro vivo mais gravado internacionalmente e um dos que mais toca no estrangeiro, com diversas turnês e projetos internacionais. Só em 2012, teve 5 projetos fonográficos lançados simultaneamente, em todo o mundo. Um CD em Espanha, com suas obras vertidas para o espanhol, tendo como convidados Alejandro Sanz, Jorge Drexler, La Mari, Pedro Guerra e o cubano Carlos Varela; um CD em Itália em parceria com a banda IventaRio, tendo como convidados Vanessa da Matta, Chico Buarque, Maria Gadú, Bungaro, Petra Mangoni, Maria Pia de Vitto; um CD na Alemanha em parceria com a SWR Big Band; um CD lançado no Japão. Em 2012 lançou também um CD de temas inéditos no Brasil, chamado “Amorágio”, título inspirado em um poema de Salgado Maranhão e que traz para junto de si alguns dos representantes da nova geração como Maria Gadú, Pedro Luiz, Tatiana Parra e o português António Zambujo. Em 2015, Ivan comemorou os seus 70 anos de vida e 45 de carreira, lançando um CD chamado “América Brasil”. Neste CD ele regrava músicas antigas que não tiveram o merecido destaque e canções de sua autoria que foram gravadas apenas por intérpretes e não por ele mesmo. Este trabalho tem o formato “feito em casa” já que ele e mais um músico, o teclista Marco Brito, fazem todos os arranjos e tocam todos os instrumentos. Detentor de cinco Grammys e 47 discos, recebeu o mais recente prémio da Academia Latina em novembro de 2016 justamente com o disco “América Brasil” (2015) na categoria de Melhor Álbum de MPB. Em 2017, o músico foi convidado a participar na celebração mundial do Dia Internacional do Jazz (30 de abril) que teve lugar em Havana (Cuba) num evento promovido pela UNESCO, com lendas do jazz como Herbie Hancock, Quincy Jones, Esperanza Spalding, Gonzalo Rubalcaba, Marcus Miller, Cassandra Wilson, entre outros. A Portugal, Ivan Lins vem frequentemente e mantém fortes ligações com a música nacional, ainda em 2017 participou no álbum “Duetos” e foi também em 2017 que Ivan Lins regressou à Casa da Música e Centro Cultural de Belém para se apresentar em concerto. A festejar os mais de 45 anos de carreira, estiveram os músicos portugueses e amigos; Rui Veloso, Paulo de Carvalho, Sofia Vitória, Ricardo Ribeiro e Agir, bem como os instrumentistas André Sarbib, Cláudio César, Chris Wells e Nema, e o espanhol António Serrano. As duas salas esgotaram para festejar a vida e obra do artista brasileiro. “Ivan Guimarães Lins” foi o nome dado à sala nr.1607 na prestigiado Berklee College of Music nos EUA, em junho de 2018. O cantor e compositor brasileiro Ivan Lins vê assim o seu contributo essencial à música, imortalizado mais uma vez. A 13 de Julho de 2018, Ivan Lins esteve no Festival de Jazz de Umbria – Itália – como convidado do concerto comemorativo dos 85 anos de Quincy Jones, juntamente com Dee Bridgewater, Noa, Patti Austin, Take 6, Alfredo Rodriguez, Pedrito Martinez, Paolo Fresu e a Orquestra de Jazz de Umbria. Em 2019, o cantautor volta novamente aos palcos portugueses. Depois de três concertos, com a cantora Simone, dois em Lisboa e um no Porto, Ivan Lins assinalou os 45 anos do 25 de Abril em Leiria, por ocasião do 37º Festival de Música. Neste concerto único, Ivan Lins juntou-se à Filarmonia das Beiras, dirigido pelo Maestro António Vassalo Lourenço, com a artista portuguesa Ana Lains, e Coro do Orfeão de Leiria, num espetáculo magnífico que esgotou a sala. 2020 será um ano muito especial para o artista brasileiros pois assinala os 50 anos de carreira!!!


Top

Ouvir



Top

Ver Videos



Top

Discografia

2012 – Amorágio
2010 – Íntimo
2009 – Ivan Lins e The Metropole Orchestra
2008 – Saudades de Casa (CD e DVD) – Warner Music Brasil
2006 – Acariocando – EMI
2004 – Cantando Histórias (CD e DVD) – ao vivo – EMI
2003 – Ensaio [TV Cultura]
2002 – Rio Underground – Ivan Lins E Romero Lubambo
2002 – Love Songs- A Quem Me Faz Feliz – Abril Music
2001 – Jobiniando – Abril Music
2000 – A Love Affair [The Music Of Ivan Lins]
2000 – A Cor do Pôr do Sol – Abril Music
1999 – Live At MCG – Jazz MCG/Heads Up
1999 – Um Novo Tempo -Abril Music
1999 – Dois Córregos – partes 1 e 2
1997 – Os Sucessos De Novelas E Séries
1997 – Viva Noel[Tributo A Noel Rosa]Vol 1 a 3 – Velas
1996 – Ivan Lins e Chucho Valdés e Irakere – Ao Vivo – Velas
1995 – The Heart Speaks – Ivan Lins e Terence Blanchard
1995 – A Doce Presença de Ivan Lins – Velas
1995 – Anjo de Mim – Velas
1994 – Acervo Especial – BMG
1993 – Awa Yiô – Velas
1991 – 20 Anos Ao Vivo – Som Livre
1989 – Amar Assim – Philips/ Polygram
1988 – Two Brazilian Knights And A Lady
1988 – Love Dance – WEA
1987 – Mãos – Philips/ Polygram
1986 – Harlequin – Ivan Lins Lee Ritenour and Dave Grusin
1986 – 1986 – Philips/ Polygram
1984 – Encuentro
1984 – Juntos – Philips/ Polygram
1983 – Depois dos Temporais – Philips/ Polygram
1981 – Daquilo Que Eu Sei – Philips/ Polygram
1980 – Novo Tempo – EMI
1979 – A Noite – EMI
1978 – Nos Dias de Hoje – EMI
1977 – Somos Todos Iguais Nesta Noite – EMI
1975 – Chama Acesa – Sony Music/ RCA Victor
1974 – Modo Livre – Sony Music/ RCA Victor
1972 – Quem Sou Eu? – Philips/Phonogram
1971 – Deixa O Trem Seguir – Philips/Forma
1970 – Agora – Philips/Forma



Top

Prémios

1997 – Grammy Award for Best Latin Jazz Album; The Heart Speaks (Nomeado)
2000 – Grammy Latino de Melhor Performance Pop Instrumental; Dois Córregos (Nomeado)
2002 – Grammy Latino de Álbum do Ano; Jobiniando (Nomeado)
2005 – Grammy Latino de Álbum do Ano; Cantando Histórias
2005 – Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira; Cantando Histórias
2006 – Grammy Latino de Melhor Álbum de Cantor-Compositor; Acariocando (Nomeado)
2009 – Grammy Latino de Gravação do Ano; “Arlequim Desconhecido” (Nomeado)
2009 – Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira; Ivan Lins and The Metropole Orchestra



Top

Links

Trackback from your site.

 

    NÃO PERCA AS ÚLTIMAS NOVIDADES!
    SIGA-NOS ON-LINE.

    Twitter response: "Bad Authentication data."

    Subscreva a nossa Newsletter